Análise:Mario Kart 8 Deluxe

Por Fernanda Domeniche

O Nintendo Switch ainda está em seus primeiros meses. E para garantir uma quantidade razoável de jogos, a Nintendo apelou para a estratégia de seus concorrentes e está lançando versões “remasterizadas” de seus jogos para o console. O primeiro jogo a receber a nova roupagem é nada menos que Mario Kart 8, um dos melhores jogos do Wii U. Mas será que a versão do Switch continua tão boa quanto a original?

Mario Kart 8 Deluxe pega a última atualização do jogo do Wii U, já com todos os DLCs, e adiciona algumas novidades.

A primeira são algumas firulas visuais. Todo o visual do jogo está com uma aparência mais clara e com alguns novos efeitos como confetes sendo jogados no começo de cada corrida. Não é nenhuma mudança dramática, mas é legal reencontrar o jogo mais bonito do que nunca.

Além disso, há a adição de novos corredores como o King Boo e os Inklings da série Splatoon, eles não adicionam grandes mudanças ao jogo, mas são uma pequena mudança bem vinda.

A terceira novidade de Mario Kart 8 Deluxe é um novo modo de turbo nas curvas, agora se o jogador conseguir segurar a derrapagem por mais alguns segundos ele tem um terceiro ganho de velocidade que é quase o dobro da potência máxima anterior. Isso não só é uma nova dor de cabeça para jogadores experientes que precisa reaprender a entrar nas curvas, como deverá mudar os melhores tempos de várias pistas do jogo nos rankings mundiais.

Outra novidade é a volta dos dois poderes, que só existiu oficialmente no Mario Kart Double Dash de GameCube, isso garante ainda mais loucura nas corridas já que a quantidade de cascos verdes e cascas de bananas se torna completamente absurda. Isso sem falar nas chances de ser Mario Karteada, que aumentam vertiginosamente.

Por fim, a maior novidade é a presença de um modo batalha real novo. Ao contrário do Mario Kart 8 cujo modo batalha só largava os jogadores nas enormes pistas do jogo para tentarem se encontrar e se eliminar, no Deluxe os jogadores têm a volta das arenas como aconteciam desde o SNES. Nelas eles podem jogar o modo clássico de balões – no qual os jogadores tentam acertar os oponentes o maior de número de vezes que conseguirem -, um modo de “polícia e ladrão” no qual um grupo tenta pegar o outro. Se os policiais prenderem todos os ladrões, eles ganham, já se os ladrões ficarem com até mesmo um livre, eles ganham. E outro modo que é uma espécie de Pega-pega com Karts no qual os corredores tentam ficar com um shine até o fim da corrida.

A volta do modo batalha é uma das melhores coisas, e adiciona centenas de horas de jogo com os amigos, além de trazer de volta o item de pena, esquecido desde os tempos de Super Mario Kart. E, por sinal, a arena do Super Mario Kart é um show à parte com sua trilha toda homenageando o clássico do SuperNES.

Mas, infelizmente, é aí que as novidades acabam.

No geral, o jogo continua incrível como o original, com uma enorme variedade de pistas e corredores, além de centenas de carros e acessórios para serem desbloqueados. Mesmo jogando sempre, você terá conteúdos para desbloquear por meses.

O grande problema de Mario Kart 8 Deluxe é o preço dele, ele custa o preço de um jogo novo, e apesar do conteúdo novo ser legal, ele não entrega o suficiente, principalmente nos campeonatos.

É impossível não sentir a falta de mais uns 2 campeonatos, mesmo que apenas de pistas clássicas, para dar uma nova vida e adicionar novos desafios ao jogo.

No geral, Mario Kart 8 Deluxe é um jogo maravilhoso, ele só decepciona pelo fato de ser quase o mesmo jogo que os fãs jogaram nos últimos 2 anos e meio no Wii U, especialmente se, como eu, você jogava semanalmente ou, pelo menos, toda vez que alguém visitava sua casa. Ele ainda diverte muito, mas fica aquele gostinho de que poderia ter algo a mais.

Mas, mesmo assim, é um dos melhores jogos do Switch até agora e uma compra garantida para quem está com o videogame da Nintendo, tanto para jogar com amigos em casa, quanto para jogar por aí como o mais completo Mario Kart portátil já lançado.

Análise:Mario Kart 8 Deluxe

Fernanda Domeniche
Sobre o autor
-